segunda-feira, 9 de julho de 2018

O Paciente Inglês


Cortar o cabelo é libertador e de alguma forma eu me inspirei em Hana quando ela corta os cabelos em um dos trechos do livro.
Em um domingo de tédio, assisti ao filme ganhador de nove Oscars, "O paciente Inglês."
Pensei que seria só mais um filme, mas quando vi, já tinha me apaixonado pelo paciente inglês.
Comprei o livro e decolei nessa leitura, sem dúvidas não é um livro fácil de se ler, o livro ao contrário do filme é contado às avessas, Michael Ondaatje é uma autor moderno, e as fragmentadas passagens do livro você que tem que ir encaixando no decorrer da leitura, é preciso entrega do leitor para adentrar-se nessa obra.
Situados na Itália em uma Villa no final da segunda guerra mundial, temos Hana a enfermeira, que fica cuidando de um paciente horrivelmente queimado em um acidente aéreo, enquanto vê todos partirem para destinos diferentes pós guerra.
Hana se enterra em seus próprios problemas depois de perder o pai, o namorado e ainda um bebê que estava esperando durante a guerra, e vê o paciente inglês como uma fuga para si, alguém com quem possa cuidar, ouvir e descobrir os seus mistérios por traz daquele rosto desfigurado e queimado.
Em seguida chega Caravaggio um velho amigo do pai de Hanna um espião que teve os polegares cortados quando foi preso, e Kip o sapador e mestre em desarmar bombas deixada pelos nazistas.
Em um único livro é possível encontrar vários mundos, Hana por sua vez canadense, Kip um sikh indiano que usava turbante e tinha pele morena, e o paciente inglês que mais tarde Caravaggio o reconhece e conta a Hana que ele tinha certeza que o paciente inglês não era inglês e sim um Húngaro chamado Almásy que trabalhava para alemães durante a segunda guerra.
Entre uma dose de morfina e outra Almásy conta sobre o romance que teve durante suas expedições com Katharine Clifton, que foi para o deserto junto com o marido Geoffrey Clifton ainda em clima de lua de mel, mesmo tendo evitado esse amor, o homem com os cabelos cor de palha e olhos claros, de alguma forma penetrava o coração da jovem recém casada, um amor doloroso, proibido e que foi vivido, mesmo tendo sido evitado, não foi possível passar por algo tão puro, tão doce e tão sutil como o que um sentia pelo outro.
Se amar é pecado os dois pecaram, ela cometeu o adultério, mas amaram profundamente um ao outro, um amor que chegava a doer.
Katharine, amava Almásy como nunca amou outro homem, como nunca conseguiu amar Clifton, a ponto de quer ser dona dele, de marcar a sua pele como uma propriedade, Almásy que não gostava de posse se viu dela, o tempo inteiro, pensando nela e vivendo para ela.
Em um certo momento eles precisam se afastar e acabar com romance e esse é o meu trecho preferido de todo o livro, de certa forma achei muito romântico:

Agora não há beijos. Só abraço. Ele se desvencilha dos braços dela e se afasta, depois se vira. Ela ainda está lá. Ele volta alguns metros dela, o dedo estendido para frisar uma ideia.
"Só quero que saiba de uma coisa. Ainda não sinto falta você."
(...)
"Mas vai sentir, ela diz."

É um livro repleto de referências, cheio de histórias, pausas, frases desconectas, permite que o leitor preencha algumas lacunas deixadas de forma que a história vai fazendo sentindo no decorrer da leitura, o livro que Almásy carrega com citações de Heródoto é o tempo todo citado no livro, não é um simples livro é uma bíblia de suas expedições no Cairo, com mapas e anotações pessoais.
Michael Ondaatje te adentra a história, de forma que o leitor testemunhe as histórias contadas por cada personagem, como a solidão de cada um e suas inquietações são trazidas para cada parte nos proporcionando viver tudo, sem dúvida esse foi uma das minhas melhores leituras nesse ano.
O final do filme e do livro são diferentes, o livro te deixa lacunas, algo que eu já esperava e não me decepcionei, em certo momento quase no final do livro temos certa tensão, que fiquei até preocupada com algo terrível que poderia acontecer.
O romance entre Hana e Kip, os afrescos italianos, as noites de Caravaggio na janela pensativo, as histórias do paciente inglês, as músicas citadas e dançadas pelos personagens, todas presentes de uma forma linear e fantástica, faz com que o livro seja algo diferente de tudo que já tinha lido.
A cada capitulo pesquisava as referências literárias, lia o livro escutando as músicas citadas, e fui capaz de me apaixonar ainda mais.
O cinema é a uma das maiores obras primas do homem, ele te faz ver exatamente aquilo que você imagina, o filme não decepcionada e vai fundo no romance de Almásy e Katherine, deixando até um pouco de lado a fantástica história de Kip, e de como desarmar uma bomba é mais difícil do que se imagina.
Se alguém tinha dúvida de que todo mundo sabia do romance de Katharine e Almásy menos o marido Geoffrey, ele mostra que um marido traído e furioso é capaz de coisas terríveis, e assim termina o romance, de forma trágica, com a morte de Geoffrey tendo causado a queda do avião com Katherine abordo, frente a Almásy para que ele sofra com a perda da amante, mas ela fica apenas ferida e é levada para um caverna, mas também não resiste, e por fim Almásy também fica à beira da morte e todo desfigurado.
A relação da enfermeira com o homem queimado é revelado no final do livro, ela revela em uma carta para madrasta que o pai havia sido morto, queimado, como Almásy durante a guerra, esse é o refugo de Hana com o paciente inglês, cuidar dele como poderia ter feito com o próprio pai.
Tentei ser o mais transparente e fiel possível ao escrever essa resenha, como me apaixonei muito por Almásy, é possível que eu tenha puxado mais para o lado dele durante a escrita, mas quero deixar claro que é um livro difícil de se ler, um livro para ler com calma e atenção.
Recomendo a leitura e também a assistir ao filme, mas vou deixar bem claro que é possível que você odeie profundamente, ou se apaixone perdidamente assim como eu, é uma história simples, mas com personagens incríveis.
Só não me pergunte porque me apaixonei tanto assim.




O paciente inglês


O paciente inglês


Caravaggio

Kip e Hana

Kip

            Almásy e Katharine 


Hana

    Almásy e Katharine


            Almásy - O paciente inglês


           Katharine


      Almásy 


                       Almásy e Katharine


   Almásy 



            Almásy e Katharine




                         Almásy 


Poster do filme



16 comentários:

  1. nossa lembro super do filme,ri e revi ha anos atras, mt bacana conhecer mais do livro tbm, é uma historia linda e eu tbm fiquei querendo ler

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada pela visita Livia :)
      você irá amar o livro.

      Beijos

      Excluir
  2. Acredita que ainda não tinha visto esse filme? Fiquei bem entusiasmada para conhecer!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assista! e leia o livro ;) obrigada pela visita. beijo

      Excluir
  3. Olá Amanda
    Vim agradecer sua visita e conhecer de blog que amei.
    Que post incrível, completo, a gente sente que vc ficou impactada com a narrativa.
    A leitura pode não ser fácil, mas certamente é intensa e as variáveis como muitos universos na obra e personagens bem construídos deve mesmo prender a atenção.
    Curiosa para conhecer a história de Hana e Kip e de Almasy e Katharine.
    Já favoritei aqui, dica devidamente anotada.
    Uma excelente semana pra ti
    Bjs Luli
    https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luli, obrigada pela visita!
      Saiba que o seu comentário mudou o meu dia. Muito feliz que tenha lido minha resenha.
      Acredito que preciso melhorar, mas que estou no caminho certo.

      Uma ótima semana pra você.

      Beijos

      Excluir
  4. Não conhecia esse livro/filme acredita??
    Nem sabia que tiha ganhado Oscar e era tão premiado assim.
    Quando tiver oportunidade vou assisti ao filme, parece ser bem impactante.

    https://heyimwiththeband.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,
      obrigada pela visita!
      :)
      tenho certeza que irá gostar.

      Beijos e ótima semana

      Excluir
  5. Que livro e filme maravilhoso. Não conhecia!
    Ótima resenha, bem explicado! Sugestão maravilhosa!
    Beijos.
    http://vinteedoisdemaio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabi! Obrigada pela visita! que bom que você gostou ;)
      beijos

      Excluir
  6. Fico feliz que tenha gostado da música ♥
    E eu também adorei sue blog!!

    https://heyimwiththeband.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, fico feliz! Beijos

      Excluir
  7. Amanda! Como esse filme marcou a minha vida! Na época eu era muito novinha para alcançar toda s profundidade da história mas nada que alguns anos à frente não resolvessem :-) amei que vc fez essa indicação aqui! Kissinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada que a maturidade não resolva né Mah?!
      obrigada pela visita.
      Beijos e ótima semana

      Excluir
  8. Amanda, agradeço por ter visitado meu blog, volte sempre que quiser.

    Bjs e uma ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Hugo!
      Obrigada pela visita aqui também! :)
      Estarei te visitando sempre agora, beijo

      Excluir